segunda-feira, 2 de novembro de 2009

REPENSANDO CELEBRAÇÃO




Nós, batistas brasileiros, elegemos em nossas agendas eclesiásticas o mês de novembro como “Mês da Música”. Nesse período nota-se na maioria das igrejas locais uma ênfase relevante a esse importante e belo recurso na condução da Adoração e louvor ao Senhor Jesus.
Agradeço a Deus e O louvo pela percepção e atitude de Seu povo, quando destina um tempo tão precioso para lembrar da singularidade e formosura dessa linguagem universal na celebração em toda história. Ainda assim, trago no coração um sonho, uma expectativa, um desejo que surge não de modo particular, mas interligado a outros corações que também amam a Deus em toda a terra.
Questiono sobre a necessidade de refletirmos sobre “adoração” em uma amplitude maior do que hoje o fazemos. De avaliarmos nossas formas de manifestação dessa adoração, sobre a espontaneidade ou engessamento desse ato. Questiono o motivo da dificuldade de ser criativo na utilização de todos os dons e talentos do povo de Deus na prática de sua devoção. Penso em um tempo em que a Igreja de Cristo exercite esse “culto criativo e participativo” e use sim, a música, mas não apenas isso, na verdade busco alcançar uma meta e convido você a estabelecê-la também como sua, desafio você a usar a “ARTE A SERVIÇO DA ADORAÇÃO”.
Quando Deus convoca os especialistas ou “Artistas”, para executarem o projeto do tabernáculo (Ex. 35 e 36), Ele não se deteve a classe de músicos para compor a equipe de trabalho, Ele chamou os mais capazes ou os artistas mais habilidosos em suas atividades para servirem com excelência desde o planejamento até a execução do projeto.
Tanto na preparação do Tabernáculo como na construção do Templo em Jerusalém em honra ao nome do Senhor Deus (I Cr 22:15,16; 25:6-8; II Cr 2:7, 13,14), observa-se uma gama enorme de artistas sendo convocados para dedicarem suas habilidades, seus serviços, sua arte na adoração ao Pai. Quantos artistas em nossas igrejas, anseiam por uma oportunidade de ministrar ao Senhor nos cultos dominicais e não o fazem? Por que nossos artistas não são desafiados a dedicarem essas habilidades ao Deus Eterno na grande celebração? Não creio em conceitos especialmente concebidos para impedirem tal celebração, mas penso que a pouca informação, o conhecimento bíblico limitado e uma cultura religiosa ocidental, apática e muitas vezes carente de sensibilidade artística, sejam alguns dos obstáculos seculares que dificultam o percurso do cheiro agradável da arte oferecida no altar até o trono de Seu Criador.
Se você é um artista da música, dança, artes plásticas, cênicas, vídeo, som, literatura, decoração entre outras, e reconhece que sua habilidade é uma dádiva divina, ofereça-a diariamente como oferta de sacrifício ao Senhor; celebre a vida adorando o autor dela com criatividade; promova a edificação de sua comunidade utilizando sua arte de forma participativa, aperfeiçoe seu talento, torne sua arte mais uma bela possibilidade de adorar o Nome que é sobre todo nome, o Nome de “JESUS”, pois para esta finalidade Ele nos dotou.
“No princípio era aquele que é a Palavra. Ele estava com Deus, e era Deus.
Ele estava com Deus no princípio. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele;
sem Ele, nada do que existe teria sido feito.” (Jo 1:1-3)

Um comentário:

  1. É ISSO MESMO REVERENDO! TEMOS QUE REALMENTE, ENXERGAR A ADORAÇÃO AO SENHOR, COMO ALGO PRIMORDIAL E QUE DEVE SER FEITO COM TODO AS NOSSAS FORÇAS, DONS E TALENTOS!DEVEMOS A CADA DIA BUSCAR QUEBRAR OS PARADIGMAS QUE NOS SEPARAM DA REAL ADORAÇÃO QUE O NOSSO SENHOR MERECE E ESPERA DE NÓS! QUE O SENHOR CONTINUE TE ABENÇOANDO NESTA LONGA JORNADA.
    Ass: Márcio Borba

    ResponderExcluir